fbpx
Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
O controle bom é meu

O controle bom é meu

Eu amo Multiplayer local! Se há um estilo de jogo que eu adoro é aquele que você senta a ‘busanfa’ no sofá e compartilha seu outro controle com o player 2 no modo split screen. Cara, pra mim o ápice é chamar seu amigo(a), esposa(o), pai, mãe, primo(a) ou quem quer que seja, pra jogar ali, bem ali do ladinho. Spoiler: este conteúdo vai exaltar esse tipo de jogo, e não faz mal se o que você mais curte é ficar na sua, pegar seu headset e jogar online, isso é bom e todos nós jogamos online também! 

O controle bom é meu
galera reunida, diversão garantida

Faço parte dessa categoria de jogadores que amam “jogos de galera”, e sinto que nós pouco a pouco estamos sendo deixados de lado. Entendo perfeitamente toda a grandeza de se jogar online por ser fácil e prático. É correto dizer que jogar online quebrou barreiras. É maravilhoso poder jogar com aquele seu amigo que morava na mesma rua que você mas teve que se mudar, fazer amizade com um gringo ou ganhar dos asiáticos viciados no Mario Kart. Que satisfação! Mesmo eu vendo todas essas benesses ainda sinto que a conta não fecha. Talvez seja o saudosismo batendo a porta… 

Voltando bastante no tempo, lembro-me muito bem do meu primeiro jogo multijogador local: Super Star Soccer Deluxe (eu sei que você leu com a voz do narrador) e fazer muitos gols com Allejo e companhia (sem esquecer do juiz cachorro). Street Fighter e Mortal Kombat também faziam sucesso lá em casa, a porrada virtual acontecia em meio a muitas risadas e zoação. Outro que jogávamos demais era Top Gear, aqueles carrinhos loucos que te faziam sentir um verdadeiro piloto. A sensação de velocidade era insana, e uma criança boquiaberta com tal emoção (a saber eu mesmo) ficava horas em frente à TV com a língua pra fora da boca e se contorcendo todo pensando estar ajudando o carro a fazer a curva melhor… hehehehe 

O controle bom é meu
a nobre arte de compartilhar o joy-con

Lembro-me da época do ensino médio. Saía do colégio e já ia direto com os amigos jogar alguma coisa e na maioria das vezes era PES ou mesmo o Bomba Patch 100% atualizado (rsrs)! Havia um fato cômico: a gente revezava as casas e cada casa era um “estádio” e o anfitrião se recusava a perder no seu “estádio”. Quando a jogatina era em nossa casa jogávamos com sangue nos olhos! A derrota não era uma opção! É claro que não posso deixar de mencionar que o controle bom era sempre do dono da casa, vulgo player 1. Sempre tinha um joystick com o analógico defeituoso e esse controle era o do player 2. Sabe aquela história: “a bola é minha e se eu não jogar não empresto a bola”? O princípio aplicado é o mesmo. Desonesto? Talvez… mas rir do seu amigo quando você ganhava dele lavava a alma. 

Algum tempo atrás, tivemos o Nintendo Wii que devido ao seu Wii Motion trouxe joguinhos simples mas de diversão garantida como o Wii Sports e o Wii Sports Resort, dentre outros. Hoje, no Nintendo Switch, há algumas boas opções apesar da quantidade de jogos lançados nessa categoria não serem muitos. Alguns games renderam boas horas de comunhão e alegria aqui em casa: Towerfall, Horizon Chase Turbo (jogo BR), Trine, Moving out, Cuphead, 51 worldwidegames, Mario e Sonic nos jogos olímpicos e claro que ainda poderia citar os mais famosos como Mario Kart 8 Deluxe, Snipperclips, Luigi’s Mansion 3, etc.  

O controle bom é meu

Pode parecer coisa de tiozão, pode denunciar minha idade, entretanto a satisfação de interagir com a pessoa que está do seu lado ao vivo e a cores não tem preço. Poder zoar, teorizar, descobrir, se emocionar, gargalhar e se divertir de forma sadia com o player dois sem aquela toxicidade da internet é muito bom! Viva a comunhão, viva o prazer de se sentir bem ao lado dos seus queridos, por que jogar videogame também é isso! 


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]