fbpx
Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
Há 16 anos surgia The Legend of Zelda: The Minish Cap

Há 16 anos surgia The Legend of Zelda: The Minish Cap

Desde o lançamento de The Legend of Zelda: Ocarina of Time, um dos maiores (senão o maior) titulo da série, os fãs aguardavam ansiosamente por um novo titulo que tivesse o “Link adulto” como protagonista e aguardaram durante anos por uma novidade a respeito.

Em 2004 na E3, considerada uma das maiores exibições já vistas, fomos apresentados a um trailer contagiante do futuro The Legend of Zelda: Twilight Princess, com um Shigeru Miyamoto surgindo no final empunhando a Master Sword no ar para o delírio de tantos fãs que estavam na convenção. Este passou a ser um dos jogos mais aguardados do ano e foi nesse contexto que no dia 04 de Novembro de 2004, a Nintendo lançava um novo titulo da série, que de inicio chegou “despercebido” diante do entusiasmo dos fãs com o novo titulo, mas que também ganhou um devido lugar no coração de cada fã: The Legend of Zelda: The Minish Cap.

Considerados por muitos como um dos melhores títulos da franquia para consoles portáteis, Minish Cap foi lançado para Game Boy Advance, sendo disponibilizado de maneira gratuita para os embaixadores do Nintendo 3DS e hoje encontra-se disponível apenas na e-shop do WiiU. Foi considerado o melhor jogo do antigo console da Nintendo em 2005 (ano de lançamento do ocidente) tendo uma recepção da crítica altamente elogiável e conseguindo vender mais de um milhão de cópias em todo o mundo.

Há 16 anos surgia The Legend of Zelda: The Minish Cap
foto retirada do site zelda.com.br

O jogo foi desenvolvido pela produtora japonesa Capcom e sua subsidiária Flagship, responsáveis também pelos títulos The Legend of Zelda: Oracle of Age & Oracle of Seasons, possui o gráfico tradicional 2D de Zelda com cores muito mais vivas, tendo o estilo do jogo baseado no seu antecessor, o Wind Waker, que foi lançado para o GameCube.

A trilha sonora do jogo segue bem o estilo padrão da franquia: incrível, marcante, inesquecível e com músicas que nos fazem cantarolar inconscientemente ao longo do dia. O jogo não é apenas um deleite visual e sonoro, que exala tal satisfação por cada frame passado, mas possui uma história contada de maneira linear e de maneira muito agradável, tendo aquela vontade maçante de chegar ao fim e descobrir sobre os acontecimentos narrados desde o inicio.

Em Minish Cap vemos a Princesa Zelda chamar Link para visitar a centésima edição do festival Minish que acontece em Hyrule Town. O evento é um agradecimento do povo aos habitantes de Minish (também chamado de Piccori) que são seres minúsculos que ajudaram a salvar o reino dos Hylians, através de um jovem que com a ajuda da lendária Piccori Balde afugentou todo o mal que ali vivia.

Durante a exibição da espada no evento, um rapaz surge no meio da multidão e quebra a arma juntamente com um baú que selava o mal que foi combatido anos atrás. O nome desse rapaz é Vaati (opinião de quem aqui vos fala: o vilão mais difícil de enfrentar de toda a saga), um misterioso homem que deseja o caos de Hyrule e que tenta ser detido por Link, deixando-o desacordado. Em uma tentativa em vão de também tentar derrotar o novo vilão, Zelda acaba sendo transformada em uma estátua de pedra, ficando impossibilitada de nos ajudar e podendo então ficar assim para sempre.

Há 16 anos surgia The Legend of Zelda: The Minish Cap
imagem retirada do site GalaxiaNerd.com

Link acorda no castelo de Hyrule após receber os devidos cuidados e recebe um pedido do Rei, o de tentar salvar sua filha… Ele pede então que o herói parta em viagem para o reino de Piccori, em busca de ajuda para tentar deter Vaati e tirar a maldição que tornou a princesa uma estátua de pedra. Durante o caminho nos deparamos com um chapéu (sim, um chapéu) sendo atacado por outras criaturas. Ao salvá-lo descobrimos que o chapéu se chama Ezlo (também conhecido como uma dos personagens mais carismáticos de toda a franquia), um antigo feiticeiro que tinha sido traído por seu antigo pupilo de nome…(música de suspense editor)… VAATI e que precisava detê-lo antes que destruísse todo o reino de Hyrule. E com isso a aventura do nosso herói de fato, começa.

O jogo é o terceiro da franquia que usa a lenda das 4 espadas, vistas também nos títulos de Four Swords e Four Sword Adventures (onde podemos jogar com um Link multiplicado por 4). O game tinha sido anunciado ainda em 2003, após uma suspensão dos desenvolvedores da série que decidiram por trabalhar em outros títulos da franquia.

The Legend of Zelda: The Minish Cap é um jogo muito recomendado caso você queira iniciar na franquia Zelda, não sendo necessário jogar nenhum outro jogo da série para entender. A jogabilidade fluída torna o jogo viciante, prendendo sua atenção do inicio ao fim. Uma excelente indicação caso queira um jogo para jogar, rejogar e até re-re-rejogar. Conta pra gente depois se valeu a pena. Aproveite.


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]