fbpx
Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
Tchau Novembro, um mês especial pro fã de The Legend of Zelda

Tchau Novembro, um mês especial pro fã de The Legend of Zelda

Novembro esta chegando ao fim e talvez em sua mente deve vir o pensamento que o ano já esta acabando, de que o natal esta chegando e que esse mês que passa é apenas mais um que foi vivido. Mas Novembro tem algo de peculiar além de ser um mês voltado para a conscientização do câncer de próstata (você já deixou o preconceito de lado e já fez?).

O 11º mês do ano marca o aniversario de 3 jogos de uma das maiores franquias não apenas da Nintendo, mas como de todo o mundo gamer: The Legend of Zelda. Nesse mês que passa, 3 jogos da franquia foram lançados, cada um com uma importância diferente para a saga e que ajudaram a consolidar a marca.

Um link com o Passado

Em fevereiro de 1986 fomos agraciados com o surgimento dessa franquia, mas o que de fato mudou o patamar da franquia certamente foi o jogo lançado em 21 de novembro de 1991, o aclamado The Legend of Zelda: A Link to the Past.

Sucesso tanto de critica quanto de vendas (vendeu mais de 4 milhões de cópias em todo o mundo), o 3º jogo da franquia deu sequência ao sucesso que a marca Zelda vinha conseguindo com os jogos anteriores, estabelecendo um nome forte no cenário do mundo dos games. A expectativa para seu lançamento era enorme, o que pode ser observado pelo grande orçamento que a Nintendo investiu para a produção do jogo.

Tchau Novembro, um mês especial pro fã de The Legend of Zelda

Originalmente, ele seria lançado para o NES, porém, houve com uma mudança de planejamento, o jogo acabou sendo lançado para o Super Famicom (SNES em nossas terras), se tornando um dos jogos mais vendidos do console e sendo relançado posteriormente para outros consoles da Nintendo, podendo ate mesmo ser jogado hoje em dia no Nintendo Switch.

O jogo encantou pela sua jogabilidade simples, gráficos inovadores e um enredo rico de historia que encantou uma geração. A Link to the Past foi um titulo que, como dito anteriormente, mudou o patamar da franquia. Era fácil perder horas e horas no jogo, curtindo uma trilha sonora encantadora e conhecer uma Hyrule com uma beleza mais viva que os jogos anteriores.

A Canção do Tempo

A Link to the Past envelheceu tão bem, que até hoje é aclamado como um dos melhores jogos de todos os tempos. Com tamanho sucesso alcançado, o publico então aguardou ansiosamente pelo próximo lançamento da franquia, imaginando o que viria por ai. A Nintendo estava prestes a lançar seu novo console e com isso uma nova tecnologia, com gráficos que aguçavam o imaginário dos fãs. Mas ela resolve lançar não apenas qualquer jogo, resolve não apenas lançar um jogo que pudesse vender um pouquinho, ela resolve lançar o jogo que por opinião de quem vos aqui escreve: é o melhor jogo de todos os tempos! E se novembro ja era emblemático pelo lançamento de A Link to the Past, ele se torna mais especial ainda, pois em 21 de novembro de 1998, o mundo conhece: The Legend of Zelda: Ocarina of Time.

O jogo foi desenvolvido junto com Super Mario 64, também criado por Shigeru Miyamoto, jogo esse inclusive que possui muitas semelhanças tanto gráficas quanto de jogabilidade. Ocarina of Time continuou com o atropelo que Zelda fazia no mundo gamer e foi além, fez de fato o jogo se tornar uma lenda.

O enredo, que já fora muito elogiado em seu título anterior, se tornou ainda mais grandioso, trazendo algo incrível de se ver em uma época que não se tinha tantos recursos tecnológicos em comparação com mundo de hoje. O jogo é incrivelmente imersivo, fazendo o jogador ficar horas e horas sem desgrudar o olho da tela, em busca do que a historia tem a proporcionar. Você pode até estar pensando: “quanto exagero desse redator“, mas dados mostram o quão grandioso Ocarina of Time se tornou. O jogo, além de ser um sucesso de vendas, tem uma das críticas mais altas entre vários avaliadores, sendo taxado de melhor jogos de todos os tempos por diversos especialistas, como Computer and Video GamesEntertainment Weekly, GameTrailers, IGN, MetacriticNext Generation e Nintendo Power.

O jogo, que ganhou um remake em 2011 lançado para Nintendo 3DS, fez com que cada jogo da franquia fosse aguardado ainda com mais ansiedade. O jogo também envelheceu muito bem, sendo muito pedido até mesmo para gerações atuais. Ocarina of Time também foi um marco tecnológico, trazendo gráficos 3D que jamais tinham sido vistos antes. Além da beleza proporcionada do jogo, trazendo a inovação da “mira Z”, em que o jogador prende a câmera em um determinado alvo, hoje muito presente em diversos jogos. O jogo inovou também a franquia ao trazer a versão adulta do seu herói, Link, trazendo a perspectiva de viagem no tempo para enfrentar um dos maiores vilões do mundo dos games: Ganondorf.

A Espada dos Céus

Ocarina of Time foi tão grande, que todo jogo desde então lançado, passava a ser comparado com ele. Os fãs esperavam então que a Nintendo pudesse lançar um novo “Greatest Of All Time“. A Nintendo lançou diversos novos jogos muito bons da franquia porém sem o impacto que Ocarina causou ao mundo. E com uma grande expectativa, a Nintendo anunciou um novo Zelda, que pudesse ser o começo de tudo, contando a história de surgimento da lenda e também da emblemática Master Sword: The Legend of Zelda: Skyward Sword.

Tchau Novembro, um mês especial pro fã de The Legend of Zelda

O jogo chegou sob forte expectativa, mas é um título controverso entre os fãs. Há aqueles que amam (inclusive esta pessoa aqui), foi muitíssimo bem recebido pela crítica especializada, ganhando notas altíssimas da Famitsu e da IGN, mas há aqueles que acham o jogo “chato” e de difícil jogabilidade.

O jogo foi lançado exclusivamente para Nintendo Wii em 18 de novembro de 2011, primeiramente na Europa e 2 dias depois no Japão. Apesar das controvérsias, algo não dá para se negar: a beleza do jogo é estonteante, algo de encher os olhos, com cada frame parecendo uma pintura aos nossos olhos. A história também é riquíssima, trazendo origem e explicações sobre o porquê de tantos “Zeldas” e “Links” e contando uma história de origem digna. Mas porque então há tanto debate sobre a qualidade do game?

Primeiramente, pela sua jogabilidade: o uso do motion plus. O que parecia ser algo grandioso, com o próprio jogador “sendo” o personagem, controlando espada, escudo, arco, entre outros itens, se tornou para alguns um mecanismo um pouco confuso, fazendo com que não caísse nas graças de boa parte dos jogadores. Além disso, o jogo tem mais diálogos que o habitual, fazendo com que muitos considerem cansativo o passar do jogo. Ainda assim o jogo tem seu carisma e é amado por muitos fãs da série e, além disso, é o precursor de um dos maiores títulos da historia da empresa japonesa: The Legend of Zelda: Breath of the Wild. A importância para o surgimento desse título cai muito sobre Skyward Sword, já que a Nintendo queria atender o desejo dos fãs, em tornar aquele mundo aberto, com a possibilidade de explorá-lo, trazendo algumas mecânicas que já tinham sido apresentada no título do Wii.

Skyward é um jogo que com o passar do tempo, acaba ganhando cada vez mais admiradores, fazendo até com que surjam os rumores de um relançamento em versão HD para 2021, no Nintendo Switch. Antes de qualquer crítica lida, jogue para ver que o jogo é tão incrível quanto qualquer jogo da franquia.

Tchau Novembro, um mês especial pro fã de The Legend of Zelda

Entre Mundos

E para encerrar, um lançamento que ocorreu primeiramente nos EUA no dia 18 de novembro de 2013, sendo lançado um mês após nos Japão, um dos jogos mais agradáveis de se jogar da franquia e que contribuiu e muito para o sucesso do Nintendo 3DS: The Legend of Zelda: A Link Between Worlds.

Tchau Novembro, um mês especial pro fã de The Legend of Zelda

O jogo, que no Japão foi lançado como a sequencia direta de A Link to the Past (por lá se chama Triforce of the Gods 2), foi recebido muito bem pelo público, tendo vendido mais de 2,5 milhões de cópias somente nos 5 primeiros meses. O jogo tem várias marcas da franquia: gráficos belíssimos e inovadores com uma jogabilidade deliciosa além de uma historia incrivelmente impactante. O jogo se passa no mesmo ambiente do título do SNES, porém tendo uma história totalmente diferente e com “Link’s” diferentes (na verdade, uma reencarnação). O site Metacritic classificou o jogo como uma aclamação universal, fazendo ser mais um título incrível da franquia a ser lançado no 11º mês do ano.

Novembro está indo embora, vindo então dezembro e nos aproximando cada vez mais do real aniversário da franquia, em fevereiro. Novembro vai cada vez mais se consolidando como um mês importante de lançamentos para The Legend of Zelda. Esse ano tivemos lançamento de um spin-off que caiu nas graças dos fãs: Hyrule Warriors : Age of Calamity. Será que no futuro vai ser considerado tão especial quanto os demais que foram lançados no mesmo mês? Não sabemos, mas uma coisa é certa: cada título tem sua importância, suas características e, com certeza, um lugar especial no coração de cada fã.


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]