fbpx
Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
Respeitem o Luigi

Respeitem o Luigi

Sabe quando alguma coisa conquista um cantinho bem especial no seu coração? Pois é.

Adoro a franquia Mario, curto muito jogos de aventura e não gosto de jogos de terror (costumo dizer que a vida já é aterrorizante o suficiente! Rsrsrs). Achei interessante essa premissa de um jogo de terror à moda Nintendo, um terror que não é terror ambientado no universo do Mario. Vamos deixar bem claro que de terror não tem nada! Devo ser sincero, nunca havia jogado Luigi’s mansion. Não joguei por falta de oportunidade, porque os jogos me interessavam. Decidi que desta vez eu não podia deixar a oportunidade de jogar Luigi’s mansion 3 passar.  Minha hora chegou, demorou, mas chegou e enfim pude começar a jogar. E surgiu o primeiro problema: não queria parar de jogar! 

Só pra ficar claro, falarei de aspectos do jogo, mas isto não é uma review e sim uma carta aberta pra declarar o quão bom esse game é. No início já me deslumbrei com a qualidade gráfica e artística: uma bela cutscene me introduz a história e personagens que farão parte da mesma. Ao iniciar a gameplay o visual muito bonito continua. O cuidado com cada detalhe de cada cantinho dos quartos, salões, banheiros, varandas, halls e de todos os outros lugares é incrível. Realmente a parte artística desse jogo impressiona, não só pela beleza das cores e formas, mas também das expressões. Obvio que não estamos falando de realismo (não é a isso que me refiro falando de belos gráficos nesse jogo) mas de clareza, de sentir o sentimento que os personagens querem transmitir. Como exemplo posso citar as expressões tanto faciais quanto corporais de quando o Luigi está quase se borrando de medo, ou mesmo dos fantasmas quando se assustam ou querem assustar. 

Respeitem o Luigi
O medroso mais corajoso que nós temos!

A gameplay é simples, basicamente são 6 ações feitas com o aspirador de pó muito louco que o cientista maluco te dá. Entretanto não é porque é simples que é monótono, a interação com o cenário é absurda! Quase tudo eu pude aspirar ou soprar, e desse jeito descobri uma enorme quantidade de segredos que são revelados ao fazer isso. Uma das partes mais legais da gameplay é o Gooigi: com ele resolvi puzzles, descobri segredos, venci chefes e é claro, atravessei canos no melhor estilo Mario. Achei uma ótima sacada pôr o Gooigi no jogo porque houve a adição de um novo personagem que ao mesmo tempo não é novo (porque o Gooigi é o próprio Luigi.) Não tive aquele lance de ver se iria me acostumar e gostar da personalidade – Eu olhava e apenas via os Luigis. 

O game design desse jogo é sacanagem! Fiquei feliz demais ao saber que a Nintendo comprou o estúdio Next Level responsável pelo Luigi’s Mansion 3 (notícia que inclusive você confere aqui no portal. Deixarei o link no fim do texto). Cada andar do hotel te oferece uma experiência única. São muito diferentes uns dos outros, pois cada andar é adequado ao Boss correspondente. Todos os bosses são figuras cômicas (ou até mesmo patéticas), eu morri de dar risada com os trejeitos e encenações de cada um deles. Os chefões não são difíceis de serem derrotados, o segredo está em você descobrir como vencê-los. 

Respeitem o Luigi
Luigi PUTAÇO porque você joga com ele no Mario Kart e nunca jogou o jogo solo dele.

Eu poderia falar muito mais sobre essa belezinha, mas vou ficar por aqui afirmando que se você me perguntasse se valeria a pena você gastar tempo e dinheiro nesse jogo minha resposta seria alta, clara e convicta: VALERIA MUITO! Sabemos que os exclusivos da BigN são sensacionais e este não foge à regra. Penso que se talvez o nome do jogo fosse Mario’s Mansion ele seria mais valorizado… sei lá, parece que as pessoas tem preconceito com o Mario Verde… hahahaha.  

Link para a notícia sobre a aquisição do Next Level: Nintendo adquire a desenvolvedora Next Level de Luigi’s Mansion | Project N)  

Nosso Podcast massa só falando sobre Luigi’s Mansion 3: 


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]