fbpx
Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
A Lenda da Ocarina do Tempo

A Lenda da Ocarina do Tempo

Lembro-me de há cerca 20 anos atrás, quando ainda era um mini “cabra da peste” que só podia jogar videogames aos fim de semanas já que a mãe prezava pelos estudos desse jovem, de ir até uma locadora localizada no “condado” de Recife e buscar um maravilhoso jogo a ser descoberto naquele fim de semana. Os olhos iam de lá pra cá, passavam por títulos já jogados, títulos detestados e de repente paira sobre uma caixa reluzente dourada, com letras destacadas em alto relevo e que eu não fazia absolutamente nenhuma ideia que “diaxo” de jogo era aquele. Levei para casa e me deparei com um save que estava com o nome de Link e quando abro.. um cavalo do lado e um vasto campo verde em 3D que até aquela data era tudo muito novo.

A Lenda da Ocarina do Tempo

Subi no cavalo e andava, cavalgava e ao mesmo tempo que achava incrível pensava : o que é que eu tenho que fazer? Um menino novo deslumbrado com um jogo maravilhoso e não tinha um “tico”, “necadipitibiriba”, “nadica” de ideia do que fazer. E aí veio a frustração. Pensei que o jogo não tinha muita coisa pra fazer, pensava que era fraco, ruim e sem história. Olha só o engano que uma criança de 10 anos cometeu. Olha o tempo perdido pela leviandade cometida. Achar que The Legend of Zelda : Ocarina of Time fosse um nada…

A Lenda da Ocarina do Tempo

Descobri anos depois o crime cometido. O quão vasto e rico é Ocarina e quanto aquilo me impactou e fez ser o melhor jogo da vida. O jogo que joguei, rejoguei, re-re-joguei e ainda me dá a sensação de satisfação extrema ao jogar de novo. Ocarina é rico em detalhes, uma essência de heroísmo que traz ao jogador que poucos jogos conseguem fazer. Não é simplesmente colocar um herói, um vilão e colocar uma música melodramática para que tal sentimento surja. É muito mais que isso e Ocarina acerta em cheio.

O jogo começa com um sonho intrigante do herói que premonizava o caminho árduo que iria cair em sua vida. Link era um habitante da floresta de Kokiri, um lugar rodeado de crianças que não cresciam (aqui uma curiosidade. Não a toa essa história lembra Peter Pan, afinal o criador da série, Shigeru Miyamoto já admitiu que o visual do personagem foi inspirado no famoso conto infantil). Os kokiris tinham uma outra particularidade, que era cada habitante possuir uma fada, o que infelizmente não era o caso do nosso herói, que se sentia solitário devido a isso. Mas tudo muda, quando uma fada de nome Navi procura por ele, para pedir ajuda para salvar a Great Deku Tree, a entidade que protegia a floresta e que estava profundamente doente. Link então parte para a jornada sem saber de fato o que iria acontecer mas com a certeza de que tudo não seria mais o mesmo. Após derrotar a terrível criatura que deixava a Deku Tree adoecida, Link é incumbido de contatar a mais nobre alma de todo o universo de Zelda. Sim senhores, estamos falando da parte da sabedoria da triforce, a princesa da luz, membra da família real, “dona da p_@_# toda“, Princesa Zelda.

A Lenda da Ocarina do Tempo

Apesar de poucas falas e aparições de fato*, a princesa tem uma aura de simpatia que a faz não se tornar apenas o nome que se dá ao jogo. Zelda é um símbolo que ultrapassa a barreira do conto de “a princesa que precisa ser salva pelo herói” .Zelda é a o centro da história, é a sabedoria personificada, é muito mais do que o seu cargo de princesa representa.

Saindo então do relato sincero de um fã acima, voltemos então para contar que ao conhecer a princesa, Link então é alertado para o perigo que anseava pelas terras de Hyrule e que algo tinha que ser feito, alguem tinha que agir. Acontece que um homem com uma energia obscura envolta se tornava cada vez mais uma ameaça para o reino e desejava cada vez mais governa-lo.

A Lenda da Ocarina do Tempo

Ganondorf é icônico, magistral, dono da típica risada maléfica vilanesca e traz para a série o ponto dark necessário para o triunfo no final. Interessante até pensar sobre suas razões, sobre a opressão que o seu povo, Gerudo, sofreu durante anos e enraizou uma raiva no vilão. Ganondorf é a parte da força da triforce e mais do que isso, parte essencial para o sucesso de Ocarina.

A jornada de Link então tem o propósito estabelecido: Derrotar Ganondorf e a partir daí.. o mundo de Ocarina é aberto. Se prepare então para saber o quão incrível pode ser uma passagem de tempo, o quão mágico pode ser escutar uma música de ocarina, o quão chato é um chamado templo da água e o quão incrível é ver cada frame desse jogo. Há muito mais para contar, muito mais história do que foi escrito por aqui. Mas Ocarina of Time não deve ser contado, não deve ter sua história transcrita . Deve ser jogado com cada minuto que é proporcionado. Jogue e conhece a verdadeira lenda, de se apaixonar por um jogo. Aproveite.

Happy 35th!


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]

Carlos de Arruda
Um grande entusiasta da Nintendo, "fanZeldaboy" e confesso dono de um sofisticadíssimo sotaque nordestino visse?