Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
Sir Lovelot - uma carta de amor ao gênero plataforma

Sir Lovelot – uma carta de amor ao gênero plataforma

O jogo aquece o coração de quem gosta do gênero. E te desafia muito!

Há algum tempo estou um pouco cansado de jogos “retrô”/”pixel art”/”8 bit” (e o Nintendo Switch tem uma vasta biblioteca de jogos indies que têm essa pegada pixelizada), mas então conheci Sir Lovelot, da desenvolvedora Pixel Games, e descobri que na verdade meu descontentamento com a “direção artística” era na verdade um descontentamento com a má utilização dela.

Fazer jogos em pixel art pode ser por muitas vezes um caminho mais fácil, mas também é uma escolha pensada. Temos diversos exemplos bons de plataformas clássicos com direção artísticas modernas e belíssimas (a exemplo das séries Rayman, Shantae e Monster Boy) que começaram como jogos em pixel art (já que na época deles pixel art era quase o único jeito de apresentar seu jogo). Sir Lovelot não é apenas um jogo sobre amor, em que você supera todos os obstáculos para encontrar a sua princesa em perigo, é um jogo sobre amor aos plataforma, amor aos clássicos e acima de tudo amor à jogabilidade e game design bem feito.

Sir Lovelot - uma carta de amor ao gênero plataforma

Vale tudo por amor

Sir Lovelot é um cavaleiro medieval daqueles de contos de fadas que está em uma busca para encontrar o amor de sua vida, e só você pode ajudá-lo a evitar a solidão. Atravessando quatro mundos distintos em mais de 40 níveis, você deve pular, se agarrar, nadar, enfrentar inimigos, evitar perigos traiçoeiros e encontrar sua donzela em uma alta torre. Ah! E não se esqueça de presente-a lá para poder conhecê-la melhor.

Durante sua jornada em cada estágio, você deve coletar uma flor para conseguir se encontrar com a princesa no final da fase. E o jogo apresenta isso da melhor forma possível, com estágios com dificuldade progressiva, novos meios de se locomover (plataformas móveis, água, vento e até passagens secretas) e muitos inimigos e obstáculos pelo caminho.

Sir Lovelot tem uma arte que para mim lembrou muito o clássico Rayman de PlayStation e computador, que, mesmo sendo totalmente em pixel, te mostra camadas do mundo, detalhes incríveis do terreno, dos personagens e cria uma coesão sem igual na história. E como um bom jogo plataforma ele te apresenta esse belo mundo criado em fases desafiadoras e que você vai morrer muito!

Além do presente que você necessariamente precisa pegar para a donzela para terminar a fase, o 100% de cada estágio vem ao se coletar outros presentes em certos estágios, moedas, patos dos ovos dourados escondidos pelas telas (fique atento a dicas sonoras) e ainda morrer menos que o limite descrito pela fase. Isso mesmo! Morrer em certa quantidade limite te ajuda a platinar o jogo e olha que tem fases que são bem difíceis de passar sem morrer algumas vezes (pelo menos na primeira jogada).

Morrendo de Amores

E se tem um porquê do jogo que possa atrapalhar a jogatina (ou não, dependendo de como você gosta de jogar) são as mortes. Você não tem um limite de corações ou vidas, você morre e volta não no começo da fase toda, mas no início daquela “tela” da determinada fa se e, mesmo que a partir da sua “morte”, os inimigos que você matou continuam mortos, a complexidade de certos estágios ainda vai fazer você morrer muito, mesmo já passando por ali.

O único porém é que Sir Lovelot é um jogo rápido, mesmo com suas 40 fases (Super Mario World, por exemplo, tem mais de 70). Não demora muito para você fechar o jogo e passar pelo único “chefão” dali (uma pena, adoraria mais fases com “chefões”). Mas para você completar o 100% de todas as fases aí sim é uma tarefa interessante e que irá te tomar mais tempo. O que torna o fator replay do jogo grande (mesmo que você já passe muitas vezes pela mesma fase antes mesmo de fechar a primeira vez).

Sir Lovelot - uma carta de amor ao gênero plataforma

E Viveram Felizes para Sempre

Sir Lovelot traz o melhor dos clássicos de plataforma: bela arte em pixel, desafios com dificuldade progressiva, controles intuitivos, uma trilha bem trabalhada e aquela vontade de platinar o jogo. Ele não é apenas uma história de um cavaleiro em busca de amor, é uma história de amor aos jogos plataforma, ao gênero e às artes clássicas. Além de ser um jogo muito divertido, claro. Mesmo tendo mais de 40 estágios, aquele gostinho de quero mais fica na mente. Por R$50,00 na eShop brasileira até vale a pena, mas mais fases valeriam ainda mais.

9 / 10 Nota Final
Prós
- Jogo de plataforma no melhor estilo
- Em português
- Fases desafiadoras
- Pixel art bem feita
- Trilha imersiva
Contras
- Parece curto mesmo com mais de 40 fases
- Só tem um "chefão"
-
Resumo
Sir Lovelot faz você sorrir ao relembrar os clássicos de plataforma e faz você ficar bravo querendo vencer todos os desafios. É uma bela carta de amor ao gênero e ao estilo artístico.
Design
Trilha Sonora
Diversão
Gameplay
Custo x Benefício

[Nota do Editor: Sir Lovelot foi analisado a partir da sua versão para Nintendo Switch. A cópia do jogo foi gentilmente cedida pela Evolve via Terminals.io para avaliação.]


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]