Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?

Diário de Bordo #02 – A Cidade Perdida de Kanto

Diário de Bordo #02 - A Cidade Perdida de Kanto

Dia 02. 06:37. Acordei com um bando de Spearows atacando minha barraca. O fogo já estava extinto e alguns Caterpies estavam em minha mochila. Hora de se alimentar, beber água e seguir viagem em busca dessa cidade misteriosa.

Dia 02. 07:50. Encontrei um pequeno rio. Cerca de um metro, a nascente não deve estar muito longe, a noroeste de onde estou. Provavelmente o rio desemboca no mar de Vermilion. Por onde muito já passei com o S. S. Anne.

Lembrando das minhas viagens quando criança, nunca percebi as matas e montanhas do lado de lá. Mas agora estou aqui em busca de resolver a minha grande pesquisa. Enchi meu cantil e marquei o horário em meu relógio para se precisar de mais água saber por onde voltar e quanto tempo levarei. Seguirei um pouco pelo curso do rio, vendo os felizes Goldeens nadando por aqui.

Dia 02. 11:45. Parada de descanso e alimentação. Há algum tempo não vejo pequenos Pokémon, acredito que a mata está cada vez mais fechada e perigosa. Pouco vejo a luz do sol, mas ainda está claro como uma meia luz. A lanterna ainda não se faz necessária.

Sobre as pesquisas: após descobrir as escrituras e poucas informações reais sobre a cidade perdida, resolvi buscar na mitologia alguma indicação de outrora sobre essa possível cidade.

Descobri uma antiga história de um mundo paralelo ao nosso, em que não existem Pokémon. Esse mundo se chamava Nihon e o terreno é estranhamente semelhante a região de Kanto só que invertido.

Não acredito ser apenas uma ficção baseada em nossa região já que a mitologia data de muitos anos e foi encontrada por mim em antigos livros da torre incendiada em Ecruteak, Johto que estavam no acerto do Museu de Pewter. E essa região apresenta uma ilha abaixo do centro comercial de Shinjuku (que acredito ser uma alusão à Celadon) e ao lado do porto de Yokohama (que seria Vermilion do nosso mundo). Essa ilha é inacessível aos humanos e apenas é chamada de Sea Forest Park.

Será que na nossa realidade paralela essa ilha inacessível também existe?

Hora do descanso acabou. Vamos retornar à expedição.

Dia 02. 15:23. Um Primeape gigante me fez parar minha caminhada. Estou sentado escondido esperando. Ele parece muito grande e violento. Mas pelo jeito deve ir para outro lugar logo, parece estar apenas comendo frutas e batendo em troncos. Vou aguardar e seguir em frente assim que ele estiveido para outro lugar.

Dia 02. 18:51. Está bem escuro já. Andei um pouco a mais mesmo na escuridão com a ajuda da lanterna. Alguns olhos me seguiam pela selva, devem ser pequenos Pokémon surpresos e curiosos por verem alguém aqui. Vi um Hoothoot, nunca tinha visto um por esses lados, somente por Johto. Interessante saber que bem fundo na selva a diversidade de espécies aumenta. Barraca montada, alimentado, hidratado. Pronto para mais uma noite ao som da floresta e do rio e amanhã continuar.


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]