Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
Compra estornada, conta suspensa: o que fazer?

Compra estornada, conta suspensa: o que fazer?

Recentemente tive minha conta Nintendo suspensa por cerca de uma semana, vítima de uma compra na Nintendo eShop peruana. A compra foi feita no dia 20 de maio, e, no dia 5 de junho, recebi a infeliz notificação de que o banco a teria estornado. A princípio, não fazia ideia da dor de cabeça que viria me acompanhar pelos próximos dias, e, inclusive, estranhei o fato de que pelo menos umas duas horas depois da notificação do estorno o jogo – que se tratava de Shin Megami Tensei III: Nocturne HD Remaster – ainda estava disponível em meu console… relevei e agradeci, no entanto, minha alegria durou pouco.

Mais tarde, no mesmo dia, tentei abrir o jogo novamente e fui barrado por uma notificação que, se não me engano, solicitava que eu fizesse log-in na minha conta novamente. Foi quando entendi o que estava acontecendo: minha conta foi suspensa. No momento, consumido pelo medo de perder 4 bolsas-estágio investidas em jogos de mídia digital, não consegui associar o evento com clareza. Como já era de se esperar, não foi possível realizar o log-in, confirmando formalmente a tese de que minha conta estava bloqueada.

Primeiro, não fazia ideia de qual era o tipo de suspensão ou de como resolvê-la, afinal, não fui notificado de forma alguma. É importante ressaltar que eu, assim como todas as outras pessoas que já tiveram suas contas Nintendo suspensas, não fomos previamente – nem posteriormente – avisados do motivo que nos levou a essa situação. Fomos pegos de surpresa ao ligarmos nossos consoles e tentarmos acessar nossa biblioteca de jogos, que nos acusa de “infringir os termos de uso” da Nintendo.

Logicamente, imaginei que a infração cometida teria sido forjar um endereço e identidade em outro país ao alterar a eShop – o que, cá entre nós, configura um crime de falsidade ideológica. No entanto, fiz algumas pesquisas nesses fóruns online e descobri que compras estornadas na Nintendo resultam na suspensão temporária de sua conta, porque, de acordo com a empresa, essas compras sugerem que o cartão utilizado possa ter sido vítima de clonagem ou qualquer outra fraude.

Então, meu querido internauta, caso você esteja aqui porque sua conta foi suspensa depois de ter sua compra estornada em uma outra eShop que não a brasileira, se acalme: você terá sua conta de volta. Mas, como? Simples, envie um ticket de ajuda para o suporte da Nintendo.

Meu contato com o Suporte

Primeiro, ao acessar a aba do ticket de ajuda, será necessário selecionar o tópico motivo do contato. A única opção possível aqui, ao meu ver, é “Outros”. Ao selecioná-la, você será direcionado a outra página.

Seleção de ticket de ajuda no suporte Nintendo
Seleção de ticket de ajuda no suporte Nintendo

Ao ser direcionado para essa outra página, você terá que preencher mais três tópicos que, pelo que imagino, devem servir para direcionar melhor o seu ticket de ajuda no setor de suporte. Para o produto, selecionei “Nintendo Switch”, o tópico de ajuda foi “Compras e Downloads” e a pergunta “Não consigo encontrar o conteúdo ou jogos baixados”, como mostra a imagem abaixo.

Seleção de tópicos para contato com o suporte Nintendo
Seleção de tópicos para contato com o suporte Nintendo

Depois, aparecerão outros campos em branco que você deverá responder com seu nome, sobrenome, e-mail de contato e um relato da situação. Na verdade, tudo isso é bem intuitivo e sinto como se fosse quase desnecessário explicar o passo-a-passo, mas, acredito que esse guia possa pelo menos acalmar aqueles que, assim como eu, entraram em desespero com o bloqueio de sua conta Nintendo. De qualquer forma, o interessante é o que acontece depois de enviar o ticket, que relato a seguir.

Um ou dois dias depois desse primeiro contato com o suporte, tive minha solicitação respondida. Pediram alguns dados da minha conta e algumas informações de contato e, assim que enviados, me responderam dizendo que iriam entrar em contato por telefone. Cerca de trinta minutos depois de receber este e-mail, um número estranho me ligou. Era um número de celular do interior da Bahia, mais especificamente na macrorregião de Feira de Santana. Acostumado com as culturas de estelionato e telemarketing agressivo brasileiras, ignorei a ligação. No entanto, por mais incrível que pareça, se tratava de uma tentativa de contato da Nintendo. Passados dois dias, retornaram a entrar em contato, porém, dessa vez eu estava dormindo e acabei não ouvindo o celular tocar. Passados mais dois dias, no domingo, finalmente me ligaram novamente – dessa vez por meio de outro número de celular, do interior de São Paulo – e então consegui conversar com o suporte por telefone pela primeira vez.

A conversa não foi tão esclarecedora, mas, consegui de volta o acesso à minha conta no dia seguinte. Pedi para que arrumassem a situação com urgência, justificando que não queria estar suspenso enquanto acontecesse a tão esperada promoção da E3. No entanto, fui informado de que caso minha conta fosse bloqueada mais uma vez, ela seria permanentemente banida.

Conclusões finais: é estranho não poder ligar logo de cara para o suporte da Nintendo e ter que depender da resposta um ticket. Tendo em vista que a empresa voltou oficialmente com as vendas no Brasil, é inadmissível que essa não seja uma possibilidade. Além disso, o fato da Nintendo não agendar um horário para a ligação ou sequer mencionar quais são os possíveis telefones que entrarão em contato acabam atrapalhando o processo. Para finalizar, ainda recebo a notícia de que caso o banco ou a Nintendo julgue minhas compras na Nintendo como suspeitas mais uma vez, serei permanentemente banido por motivo nenhum, sem necessidade de contato prévio, perdendo acesso aos meus jogos digitais. Se eu tivesse que dar uma nota, seria 0, mas, pelo menos consegui minha conta de volta.


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]

Francisco Camolezi
20 anos, estudante de comunicação organizacional, resistente da hegemonia sonysta no interior do Mato Grosso e nunca paguei a última dívida com o Tom Nook.