fbpx
Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
Jovens para sempre: uma reflexão sobre o poder do coração puro de uma criança

Jovens para sempre: uma reflexão sobre o poder do coração puro de uma criança

Olá, caros amigos leitores! Hoje convido todos vocês a embarcarem comigo em uma jornada de reflexão e fantasia. Vamos começar voltando no tempo quando ainda éramos crianças. Vocês lembram de como a vida parecia mais fácil e de como o dia parecia durar muito mais tempo? Bons tempos!

Quando criança nossa relação com o tempo é totalmente diferente da percepção de um adulto. Isso se deve ao fato de, na maior parte dos casos, só precisarmos nos preocupar com os estudos (como um grande dever) e não vivenciarmos as obrigatoriedades da complexa vida adulta.

A ingenuidade presente nas crianças devido a pouca experiência para com o “mundo real”, muitas vezes faz parecer que alguns fatos, pessoas e sensações são surrealmente grandiosos. No mundo dos games, a utilização de sentimentos como coragem, imaturidade, ingenuidade, fé e amizade são altamente explorados em narrativas fantasiosas orientais protagonizadas por crianças.

Um bom exemplo é a série Pokémon, em que Ash Ketchum (protagonista do anime), uma criança de dez anos, sai em sua jornada para se tornar o maior mestre Pokémon de todos os tempos, desbravando o mundo, mesmo possuindo uma experiência mínima do que seria o mundo real. Todavia, a fé que Ash demonstra ter em si mesmo e no sentimento da amizade para com Pikachu e seus amigos, faz com que tudo seja possível. Nos mostrando que acreditar de todo o coração no impossível muitas vezes pode funcionar e nos faz lembrar que em algum momento eu e vocês já o fizemos.

Outras franquias como: Digimon, Harry Potter, Ni No Kuni, Dragon Ball, Persona, Tales of, dentre outras, nos fazem reviver sentimentos que em algum momento deixamos adormecer, mesmo que apenas um pouco, devido as responsabilidades da vida adulta. Digimon nos conta que os Digiescolhidos só podem adentrar ao mundo digital e interagir com os Digimon enquanto possuírem um coração puro (ser crianças), pois as crianças possuem o atributo da fé e ingenuidade. É informado que assim que a vida adulta chegar, junto com as preocupações do dia a dia e as responsabilidades, que todas essas questões farão com que estes sentimentos tão fortes na infância sejam suprimidos, mesmo que não como um todo, mas o suficiente para mudar os seus corações.

Em Dragon Ball podemos ver a jornada de uma Goku (uma criança) com o destino de salvar o mundo. Mesmo possuindo um mestre (mestre kame) o qual possui mais idade, lhe ensina sobre valores e possui grande sabedoria, quem deve livrar o mundo de todo o mal é exatamente Goku. Goku possui um coração puro, ingenuidade e fé em si mesmo e nas pessoas.

Em Ni No Kuni temos a história de Oliver (um garotinho) que logo nos primeiros momentos de gameplay passa por um trauma terrível ao perder sua mãe. Após esse evento, Oliver é apresentado a um mundo maravilhoso onde ele irá utilizar magia, interagir com seres fantásticos, salvar o mundo de uma bruxa má e ao final de tudo isso talvez trazer a sua mãe de volta.

Talvez essas franquias sejam tão amadas por nós (gamers), pois sabemos que existe verdade na arte de contar a história dos sentimentos e da transição da vida de criança para a vida adulta, pois a maior parte de nós já passaram por essa transição, porém mantivemos a nossa ligação com o mundo de fantasia, onde tudo é possível, através do vínculo com os videogames e dessa forma, assim como os Digiescolhidos, conseguimos sempre regressar a um mundo onde os sentimentos mais puros de um coração inexperiente seja a arma mais poderosa para se tornar um campeão.

Segue a baixo uma lista com os games das franquias citadas no texto para que vocês possam aproveitar:

Dragon Ball FighterZ

Digimon Survive

Digimon Story: Cyber Sleuth

Persona 5 Scramble

Ni no Kuni: Wrath of the White Witch

Tales of Vesperia

Pokémon: Let’s Go Pikachu & Eevee

Pokémon Sword & Shield

LEGO Harry Potter Collection


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]