fbpx
Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?

Doug Bowser comenta sobre edições limitadas, drift de Joy-Con, jogos futuros, Switch Pro e mais

Doug Bowser comenta sobre edições limitadas, drift de Joy-Con, jogos futuros, Switch Pro e mais

Uma das grandes polêmicas que tem cercado alguns últimos anúncios e lançamentos da Nintendo é a questão de que certos itens de colecionador e até jogos serão comercializados apenas até Março de 2021 (inclusive temos um coluna sobre o assunto, para ler clique aqui). Super Mario 3D All-Stars, a coletânea de jogos 3D do bigodudo mascote da empresa, foi um dos grandes criticados por ter essa nova política de tempo limitado.

O presidente da Nintendo of America, Doug Bowser, foi questionado sobre essa abordagem diferente da empresa em uma recente entrevista ao site Polygon. Quando questionado sobre a lógica na remoção de jogos, ele explicou (em livre tradução):

“Sim, acho que uso uma palavra simples: celebração. É apenas – esta é uma celebração do 35º aniversário de Mario. E queríamos comemorar de maneiras únicas e diferentes, e fizemos isso por meio de jogos como Super Mario 3D All-Stars, ou faremos isso em lançamentos futuros, como Super Mario 3D World + Bowser’s Fury.

E também o fizemos através de lançamentos como Game & Watch: Super Mario Bros. ou através de Mario Kart Live: Home Circuit. Existem várias maneiras de celebrarmos os 35 anos de Mario. E com alguns desses títulos, sentimos que era uma oportunidade de lançá-los por um período limitado de tempo. Eles se saíram muito, muito bem. Super Mario 3D All-Stars vendeu mais de 2,6 milhões de unidades somente nos EUA. E, claramente, os consumidores podem entrar e aproveitar isso. E não é uma estratégia que vamos usar amplamente, mas é uma que pensamos ser única para o aniversário real. [Mas] não posso comentar sobre os planos para além do final de março”.

Outro assunto polêmico que Doug Bowser comentou foi sobre os drifts comuns que acontecem nos Joy-Con do Nintendo Switch e que são alvo de bastante críticas dos fãs nintendistas. O Polygon lembrou que a Nintendo oferece um bom sistema pós-venda e de reparo de Joy-Con para os jogadores, mesmo que isso pareça apenas um “band-aid” sobre a situação. Quando questionado se há projetos de hardware planejados para resolver esses problemas, de modo que quando as pessoas comprarem um novo Switch, elas não estejam necessariamente se preocupando se precisarão enviar os Joy-Con para a assistência em alguns meses, Doug Bowser afirmou:

Em primeiro lugar, queremos que cada consumidor tenha uma ótima experiência com seu Nintendo Switch e com os jogos que jogam no Nintendo Switch. Isso é de extrema importância para nós. Nossa missão é colocar sorrisos nos rostos. E queremos ter certeza de que isso aconteça. Se os consumidores tiverem algum problema com nosso hardware e/ou software, queremos que eles entrem em contato conosco, quando encontraremos a solução adequada para colocá-los em funcionamento o mais rápido possível.

Especificamente para os próprios Joy-Cons, temos trabalhado em estreita colaboração com os consumidores se e quando eles podem ter problemas, seja uma substituição ou reparo. E então, o que direi, quando olhamos para nossos ciclos de reparo, estamos sempre olhando para o que está sendo enviado e por quais motivos, e entendendo isso melhor. E sem entrar em detalhes, sempre nos dá a oportunidade de fazer melhorias à medida que avançamos.”

2020 está praticamente acabando e para 2021 temos poucas novidades concretas, como por exemplo o lançamento de Super Mario 3D World + Bowser’s Fury no primeiro trimestre do ano. Já sabemos que a Nintendo está trabalhando em uma sequência de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, em Bayonetta 3 e até Metroid Prime 4, mas temos pouca (aliás, quase nenhuma) informação ou novidade sobre os novos títulos. Há também rumores sobre um possível Nintendo Switch Pro que estaria segurando o desenvolvimento desses games para que eles pudessem sair nesse tal console novo. Doug Bowser comentou sobre ambos assuntos:

Você tem seguido a Nintendo por tempo suficiente para saber que, conforme progredimos em qualquer título, e consideramos que é o momento certo, compartilharemos com a comunidade onde estamos no desenvolvimento. No momento, porém, não tenho mais nada para compartilhar sobre [Metroid 4, Bayonetta 3 e a sequência de The Legend of Zelda: Breath of the Wild].

[…]

Algumas ideias aqui. Houve algumas perguntas [sobre um possível Switch Pro]. Deixe-me apenas decompô-lo. Em primeiro lugar, estamos sempre olhando para a tecnologia. E como sabemos, a tecnologia está em constante evolução e mudança. E estamos sempre olhando para o que está por vir para determinar: como isso pode aprimorar e melhorar a experiência de jogo? E seja em uma plataforma atual ou em uma plataforma futura, estamos sempre olhando para isso.

No entanto, também vemos agora – e acabamos de falar sobre isso – que o impulso no Nintendo Switch e no Nintendo Switch Lite no quarto ano é forte. E acreditamos que estamos mudando a trajetória de outro ciclo de vida típico de console. E continuaremos, em um futuro próximo, a realmente nos apoiar nessas plataformas e no conteúdo que vem com elas, porque é a relação simbiótica que faz a diferença real. E é por isso que o Nintendo Switch é tão diferenciado.

Doug Bowser ainda comentou sobre os planos futuros da Nintendo fora dos videogames, com empreitadas como parcerias com LEGO e um parque de diversões dentro da Universal Studios já em andamento: “Queremos compartilhar nossas IP com o maior número possível de pessoas ao redor do mundo. E nem tudo é diretamente por meio de nossas experiências de videogame. Algumas delas podem ser por meio de nossas experiências de entretenimento. […] Essa é uma maneira de realmente podermos compartilhar a Nintendo, em nossos mundos imersivos e nosso IP, com consumidores que podem não estar jogando videogame hoje. Ou por meio de algumas de nossas atividades licenciadas, como algumas atividades que fizemos com Levi’s ou com Lego ou com Puma, e todos esses pontos de contato nos permitem expor as pessoas à diversão que é a Nintendo e aos sorrisos que a Nintendo oferece. E nossa esperança é que isso os aproxime ainda mais das experiências integradas de videogame que oferecemos.”

A entrevista extensa ainda cobre assuntos como o online da Nintendo que a empresa vai “continuar a desenvolver […] à medida que avançamos, garantindo que estamos fornecendo novas funcionalidades e jogos para as pessoas”, o sucesso de Animal Crossing: New Horizons que foi “bem acima das expectativas” e muito mais. Ela pode ser lida na íntegra em inglês por este link.