Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
Crash Bandicoot 4: It's About Time

Crash Bandicoot 4: It’s About Time – O plataforma que chegou na hora certa

O mascote da Sony chega arrasando no Nintendo Switch. Muito conteúdo, gênero plataforma em suas melhores versões e qualidade gráfica impecável.

Crash Bandicoot 4: It’s About Time, da publisher Activision e desenvolvido pela Toys for Bob, é a sequência definitiva da trilogia original de Crash Bandicoot dos anos 90, e chega 22 anos após a última entrada da série principal. A subtítulo ainda brinca com essa espera dos fãs pela tão aclamada sequência. “It’s About Time” pode ser traduzido literalmente para o português como “É sobre tempo” – já que o jogo mexe com ideias de portais temporais e retro/moderno, mas também é uma expressão idiomática americana que significa “Já era hora!”. E, por mais que tenha sim demorado, Crash Bandicoot 4 chega em boa hora, um plataforma que fã nenhum (da franquia, do gênero e de jogos em geral) pode deixar de aproveitar.

Crash Bandicoot 4: It's About Time - O plataforma que chegou na hora certa

Quebrando Tudo

O marsupial de vida infinita da Activision está de volta para enfrentar de novo os vilões malucos e malígnos Neo Cortex e Nefarious Tropy que estão lançando um ataque total não apenas neste universo, mas em todo o multiverso após abrirem um buraco no tecido do espaço/tempo. A máscara autoconsciente Aku Aku, irmão gêmeo de Uka Uka, sente a perturbação no espaço e no tempo e rapidamente corre encontrar Crash no pico principal da Ilha N. Sanity para que ele e sua irmã Coco ajudem a salvar o dia reunindo as quatro máscaras quânticas e quebrando as regras da realidade.

Crash Bandicoot 4: It’s About Time traz o que há de melhor na série e evolui a fórmula. Plataforma 3D bem trabalhado, fases e muitos momentos com plataforma 2D, fases runner, colecionáveis, desbloqueáveis, fases secretas, skins e muito mais. Crash 4 traz muito conteúdo (muito conteúdo mesmo) e vai te entreter por horas e dias e semanas, pois afinal “já era hora”.

Com cutscenes muito bem feitas, totalmente dubladas e legendadas em português e com um humor impecável, Crash te inunda de história e te imerge no mundo insano em que os personagens vivem. Quando você não está jogando um ótimo jogo plataforma recheado de conteúdo, você está vendo uma ótima animação. E os gráficos estão muito bem trabalhados, mesmo no Switch (que foram até refeitos para a plataforma). Crash se apresenta como um jogo muito bem cuidado.

E Crash não se contém no quesito gameplay, você anda de um plataforma 3D para o 2D durante a partida muito naturalmente, vai para um a seção de runner fugindo de um monstro ou escorregando em um cipó também homogeneamente. Tudo no mundo e nas fases de Crash é muito natural e orgânico o que torna a partida muito mais imersiva e interessante.

Crash Bandicoot 4: It's About Time - O plataforma que chegou na hora certa

Passa e Repassa

Crash 4 chega cheio de conteúdo e o conteúdo se expande ainda mais quando se pensa em platinar o jogo. Todas as fases você pode pegar 6 diamantes, 3 deles pelas porcentagens das quantidade de fruta pegas na partida, uma jóia escondida no jogo, atingir o mínimo de mortes e quebrar todas as caixas ditas. Ou seja, para passar de fase você não precisa pegar tudo, mas para fazer o tão sonhado 100%, precisa. E você ainda desbloqueia fases bônus durante o jogo com fitas VHS espalhadas. Desbloqueia fases de outros personagens como Dingodile e uma versão de sua ex-namorada Tawna. E após certo estágio ainda debloqueia o modo N. Verse que transforma a fase em uma versão macabra em negativo, meio como um radar, e você tem mais diamantes para achar nesse modo.

Resumindo, é conteúdo que não acaba mais. Crash Bandicoot 4: It’s About Time não é só sobre o tempo que está rachando na história do jogo, ou sobre o quanto tempo ficamos esperando essa sequência, é também sobre o tanto tempo que você vai passar curtindo e aproveitando essa aventura incrível. O charme do marsupial só cai um pouco na precisão que o jogo requer.

Diferente de Mario, que geralmente é um jogo fácil de fechar, mas difícil de platinar, Crash Bandicoot 4: It’s About Time por vezes também é difícil de fechar. O jogo requer muita precisão do jogador em diversas vezes. Claro que com as vidas infinitas é tranquilo continuar tentando passar uma plataforma ou um inimigo mais difícil, mas é um pouco frustrante errar uma caixa por alguns centímetros e cair no vácuo. Os checkpoints pelo percurso ajudam, mas não deixa de ser um contra-ponto.

Crash em sua Melhor Forma

Crash Bandicoot 4: It’s About Time traz um jogo de Crash na sua melhor fórmula e com temperos a mais. Novos “power-ups” e fases muito bem construídas em um mundo insano. Um jogo de plataforma de precisão recheado de conteúdo para horas e horas de jogatina, os R$199,90 dados ao jogo na eShop nacional valem a pena. Crash 4 me fez reavaliar e querer re-jogar (ou jogar de verdade) a trilogia original que não joguei muito na época. Pois é, já era hora mesmo de um bom, nostálgico e moderno jogo de Crash com a receita que fez seu sucesso.

9.3 / 10 Nota Final
Prós
- Crash em sua melhor forma
- Muito conteúdo
- Gráficos e músicas impecáveis
- Imersão no mundo
- Totalmente legendado e dublado em português
Contras
- É necessário precisão demais em certos momentos
- Por vezes frustrante
Resumo
Um ótimo (e preciso) plataforma, muitos "modos" de jogo, muito conteúdo e muitos desbloqueáveis. Crash vem trazendo uma bagagem incrível, insana e recheada de diversão. Nostalgia nunca foi tão legal!
Design
Trilha Sonora
Diversão
Gameplay
Custo x Benefício

[Nota do Editor: Crash Bandicoot 4: It’s About Time foi analisado a partir da sua versão para Nintendo Switch. A cópia do jogo foi gentilmente cedida pela Activision para avaliação.]


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]