Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?

[Entrevista] Andrezza, a Zelda brasileira, fala sobre como é ser uma streamer nintendista

[Entrevista] Andrezza, a Zelda brasileira, fala sobre como é ser uma streamer nintendista

Hoje conversamos com Andrezza, do canal AndrezzaBPlays, conhecida por se vestir de Zelda e com uma comunidade em seu canal maior que alguns grandes nomes na Twitch. A entrevistada conversou bastante sobre como é ser uma mulher nintendista, seus desafios e pensamentos. Quer dar uma conferida? Basta rolar a tela e ler.

Project N – Hoje estamos entrevistando Andrezza para o Project N. Primeiramente, gostaria de pedir para que você se apresentasse, Andrezza.

Andrezza – Primeiramente, muito obrigada pelo convite! Eu sou Andrezza, sou streamer na Twitch, criadora de conteúdo sobre Nintendo nas redes sociais, colunista no Project N, musicista (toco violino, violão e teclado) e trabalho como analista de sistemas e de dados, ou seja, de tudo um pouquinho!

Project N – Para começar, queria te perguntar: qual foi seu primeiro contato com jogos? O que fez com que você gostasse tanto deles?

Andrezza – Meu primeiro contato com jogos foi na infância, meus pais compraram para mim um Magic Computer (ou também conhecido como Famiclone), que era um teclado que conectava à TV e tinha vários aplicativos e jogos, como Magic Carpet 1001 do NES, rádio, compositor musical entre outros. Eu adorava a ideia de poder superar desafios nos games e como o próprio Magic Computer tinha a possibilidade de programar jogos eu já fiz algumas programações do tipo com ele. No Ensino Médio eu tinha um professor que sabia desenvolver jogos e eu ficava encantada com aquilo, queria trabalhar na área. Fiz curso de formação em desenvolvimento de jogos mas acabei não trabalhando nessa área e fui para Data Science.

[Entrevista] Andrezza, a Zelda brasileira, fala sobre como é ser uma streamer nintendista

Project N – Como seu canal começou? O que te motivou a criar o canal?

Andrezza – Começou em 2020, no início da pandemia. Como passei a trabalhar em casa, usei mais o tempo para poder zerar alguns jogos que estavam guardados. Um dia em um grupo no Facebook um streamer estava chamando pessoas para jogar The Legend of Zelda: TriForce Heroes em live. Aceitei o convite, comecei a jogar com ele e outro menino e me diverti muito, e nos tornamos amigos. Com um pouco de receio comecei a fazer lives na Twitch em maio de 2020 jogando jogos diversos, para conhecer pessoas e ter e ser companhia em um momento tão difícil para o mundo.

Project N – De onde surgiu a ideia da roupa de Zelda para as lives?

Andrezza – Eu fazia cosplay há alguns anos, parei por causa do trabalho e da falta de tempo para me dedicar à atividade. Queria homenagear a franquia nos seus 35 anos, vi uma loja vendendo a roupa completa e decidi comprar, a ideia era ser a Andrezza vestida como a Zelda jogando Breath of the Wild hahahaha. Estou feliz de voltar a fazer cosplay, é uma arte que eu admiro muito!

[Entrevista] Andrezza, a Zelda brasileira, fala sobre como é ser uma streamer nintendista

Project N – Atualmente você possui, na Twitch, mais seguidores que canais de grande nome. Você tem alguma estratégia ou algum jogo que te ajudou nesse crescimento?

Andrezza – Não tenho nenhuma estratégia ou jogo que possa ter me ajudado no crescimento do canal, no meu caso as coisas foram acontecendo de forma natural. Na verdade, não tem uma fórmula específica ou estratégia que possa ajudar uma pessoa a crescer nas plataformas de streaming, é um verdadeiro desafio fazer lives, principalmente para quem precisa trabalhar e tem outras demandas na rotina.Em minhas lives eu sou eu mesma ali, adoro conversar com as pessoas, aprender com elas sobre jogos, falar coisas sobre o dia a dia. A gente começa conversando sobre jogos, depois vai para arte e depois para comidas, tudo no mesmo dia.

Project N – Você se considera uma Nintendista?

Andrezza – Acredita que eu só me percebi como nintendista há pouco tempo? Eu amo jogos em geral, mas um belo dia, arrumando minha coleção e vendo um monte de itens de Zelda, Super Mario e Kirby, além de só ter os consoles da Nintendo em casa foi que caiu a ficha! Sim, eu sou nintendista de fato.

Project N – Como você se sente, sendo uma mulher nintendista produtora de conteúdo em um meio onde, infelizmente, há uma maioria de homens? Você sente que há alguma diferença cultural?

Andrezza – Antigamente eu me sentia mais sozinha nesse mundo gamer, era mais difícil encontrar outras mulheres que gostassem de jogos, ainda mais de Nintendo. Hoje em dia, graças à internet eu tenho conhecido mais mulheres gamers e mulheres nintendistas que criam conteúdo, então me sinto mais acolhida com elas.

[Entrevista] Andrezza, a Zelda brasileira, fala sobre como é ser uma streamer nintendista

Project N – Você fez um stream da E3. Há algum jogo anunciado que seja certo que entrará em sua programação ainda esse ano?

Andrezza – Queria todos! Mas com certeza nesse ano entram em minha programação The Legend of Zelda: Skyward Sword, Life is Strange, Metroid Dread e WarioWare: Get It Together.

Project N – O que você achou dos jogos anunciados pela Nintendo? Quais lhe chamaram a atenção?

Andrezza – Eu amei os anúncios da Nintendo na E3, acho que ela fez uma apresentação do jeito que esperávamos para este evento, com vários anúncios bons. Os que mais me chamaram a atenção foram Life is Strange, Metroid Dread, Mario Party Superstars, Mario + Rabbids Sparks of Hope, Monster Hunter Stories 2: Wings of Ruin e o novo trailer da sequência de Breath of the Wild, que depois eu fiquei dias prestando atenção aos detalhes com minha irmã para teorizar o que pode acontecer na história.

Project N – Seu principal foco é Zelda, em seu canal. Então, com esse “sneak peak” da E3 em BotW 2, o que você acha que devemos esperar para o jogo?

Andrezza – Eu tenho uma teoria que esse jogo possa estar mais ligado à Twilight Princess. Muitos detalhes nos trailers lembram os eventos ocorridos nesse jogo, assim como Skyward Sword, o que justifica o lançamento dele agora em 2021. Eu espero mais exploração celeste e subterrânea, maior interação do Link com o ambiente (eu sinto falta do Link acariciando os bichinhos, sentando na cadeira e dormindo na cama) e uma visão mais humanizada do mesmo, onde ele possa se expressar mais, assim como nos mangás. Gostaria também de ver a Zelda mais ativa ainda na história, como ela foi em Hyrule Warriors: Age of Calamity.

[Entrevista] Andrezza, a Zelda brasileira, fala sobre como é ser uma streamer nintendista

Project N – Consegue fazer um ranking das 5 franquias favoritas da Nintendo? Já sabemos que Zelda não vai faltar, mas queremos saber onde.

Andrezza –Meu Top 5:

  1. The Legend of Zelda
  2. Super Mario
  3. Star Fox
  4. Super Smash Bros.
  5. Kirby

Project N – Quer mandar algum recado para nossos leitores?

Andrezza – Hidratem-se, cuidem-se, usem máscara PFF2, aproveitem os lançamentos do Nintendo Switch que vem muita coisa boa por aí! E se você quer começar a fazer streaming, dê o primeiro passo, crie sua conta na plataforma, comece a fazer lives, mesmo que as primeiras não sejam satisfatórias; com o tempo você vai aprendendo e vai melhorando cada vez mais!

Project N – E se eles quiserem te encontrar nas redes sociais, onde devem buscar?

Andrezza –Estou nas seguintes redes: Twitter, Instagram e TikTok (@andrezzabplays), YouTube, Twitch

Quer saber mais sobre a Andrezza? Acompanhem o trabalho dela em suas redes sociais e de seu LinkTree.


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]