Ei Nintendista! Já ouviu o último episódio do nosso podcast?
Worms Rumble - Ar fresco na cidade do caos

Worms Rumble – Ar fresco na cidade do caos

Com uma boa apresentação de um multiplayer moderno, Worms Rumble provavelmente vai divertir a qualquer um que queria experiências boas com partidas criativas e diversas.

De forma alguma, um jogo como Worms Rumble deve ser levado com desconsideração ou desdém por sua estética, direção artística ou até mesmo sua proposta de gameplay. A versão de Switch finalmente chegou com uma grande otimização de um jogo Battle Royale, multiplayer de ação e aventura. Nada pode ser dito quanto ao esforço da Team17, que gentilmente cedeu essa chave, pois é definitivamente um jogo excelente.

Um novo capítulo

Worms Rumble - Ar fresco na cidade do caos

Diferindo das entradas anteriores da série como jogos de artilharia tática, a Team17 quis atualizar e contemporizar com a tendência atual, onde os jogos táticos estão cada vez se tornando mais uma forma de diversão de jogadores old school, ou aventureiros, e assim fazer com que a franquia consiga atingir novos públicos e assim trazer um novo ar para a série que já é maior de idade, 26 aninhos.

Com isso, agora temos um game de perspectiva lateral em 2.5D, além de uma estratégia em tempo real com locações abertas em edifícios, em construção, ou não, e com grande mobilidade através de saltos com wallgrip, ou seja, você poder se agarrar as paredes, podendo fazer uma escalada através do seu esforço repetindo a ação de pulo. A movimentação pelo cenário se torna mais completa pelo uso de elevadores, plataformas e containers que se movimentam verticalmente de forma contínua e no caso dos elevadores, opcional. Além de passagens como buracos, tubulações e uma aplicação de escadas rolantes ativas, o que pode gerar situações de desespero porque se você estiver indo na direção contraria, que talvez você possa ficar encurralado.

Com o novo título tentando se atualizar, ele vem com características básicas dos jogos multiplayer online dos tempo atuais. Como por exemplo, os famosos elementos de RPG, que são levels que sobem ao agariar experiência por ações e partidas disputadas. Customização integral: Cor e marcas da pele, cor dos olhos e seu formato, expressões faciais pelos olhos e bocas, até podendo escolher como seus dentes são exibidos. Também há o emote , que é como o seu Worm se posta. É possível escolher também uma personalização de roupas como alguma vestimenta, acessório para cabeça e rosto, que inclui além de óculos e máscaras, barbas. Mais opções de customização são disponibilizadas com o seu progresso. Também é disponibilizado uma personalização em formato de ícone, podendo escolher backgrounds, títulos e status de partidas disputa e afins.

Dez armas são disponibilizadas de início, cada uma com uma característica diferente da outra. Todas com um incrível trabalho artístico em detalhes de peças, mas lhes faltam carisma quanto ao design que as fazem parecer um pouco mais que meros renders 3D, sem muita personalidade, apesar de que in game não é algo notável devido à perspectiva que se é tida por conta do tamanho em que ficam, assim o foco ficando mais voltado a utilidade de cada uma. Apesar que mais modelos alternativos de customização das armas são disponibilizados conforme você avança. Entretanto, a variedade não garante um convite muito atrativo a tentar aprender a jogar com cada uma.

Worms Rumble - Ar fresco na cidade do caos

Como o foco do gameplay consiste em ações de rápida decisão com uma precisão, apesar de questionável, muito requisitada, o jogo acaba por ser algo que se faz mais conveniente jogar até achar uma arma que seja mais ao seu gosto e se manter com aquela. Mas é difícil, pois ocorre quase uma “corrida às armas“, já que estão espalhadas pelo cenário e você deve ir alternando conforme sua munição acaba. Porém, esta mecânica sendo de recurso coletável, torna a gameplay falha, já que é um jogo praticamente feito na base da estratégia de posicionamento e precisão. Sua munição ficar escassa faz com que o aproveitamento do jogo se torne um pouco mais limitado, já que talvez você deva encerrar uma disputa bélica contra um inimigo que está quase ao fim da vida para ir correr atrás de mais. Porém, de forma alguma é um aspecto cansativo e que te faz ficar irritado, mas algo como que olhos mais atentos sintam uma falha de planejamento.

Multiplayer

Worms Rumble - Ar fresco na cidade do caos

São quatro modos de jogo disponíveis ao iniciar: Team Deathmatch, Deathmatch, Last Squad standing e Last Worm Standing. Como uma forma de treino há o modo training. É necessário selecionar qual modo de jogo você tem interesse em jogar antes de clicar em Play, o que pode ficar um pouco confuso para quem não tem experiência com esse tipo de interface. Porquê quando você começa o jogo, você entra com o modo de training selecionado e embaixo o botão de Play, mas nada te indica que você precisa alternar o modo de jogo exceto uma singela setinha. Podendo assim dar a entender que para treinar você deve clicar em training e para ingressar em alguma partida, é só ir diretamente em Play. Talvez para otimizar o uso da interface poderiam ter colocado a seleção de modo de jogo apenas escrito Select Mode com a seta e o botão Play em cinza até que você escolhesse um modo de jogo. Após isso, a seleção é bloqueada com a sua escolha até a procura por uma partida terminar, só podendo trocar o modo selecionando Cancel e encerrando a busca.

Nos modos de Deathmatch, temos formas diferentes de aproveitamento. O modo “Team“, há uma falta de organização que acredito que venha muito por uma falha de level design, onde se torna difícil geralmente de se manter ativa a ação. O que talvez seja possível de ser melhorado, seria com uma comunicação íntegra com seus companheiros de equipe, mas não é algo possível no Switch. Enquanto a desenvolvedora não tem nenhuma responsabilidade quanto a isso, dado que é um defeito de hardware, o jogo acaba não ficando tão bem de se aproveitar sem esse aspecto, por se tornar um partida muito avulsa, onde o tempo limite se esgotar acaba sendo algo até libertador dependendo de quem está te acompanhando.

Quanto ao modo Deathmatch em solo, é divertidíssimo! Agora é uma caçada mais deliberada que não faz a menor diferença aonde você está. Se você ficar parado, alguém vai te encontrar e provavelmente você vai começar a pegar o ritmo. Fica realmente divertido, sendo o modo que é mais recomendado por este que vos escreve. A ação é cadenciada à movimentação no cenário, mas o próprio jogo se torna mas convidativo quando você começa a se sentir mais bem sucedido ao acertar seus alvos e passar a ganhar armas diferentes, podendo assim achar algumas que mais se adequam ao seu estilo de jogo. Fora que as granadas e outros recursos como o escudo, por exemplo, se tornam mais úteis aqui.

Worms Rumble - Ar fresco na cidade do caos

Os dois modos Last Standing, por outro lado, são modos que vão à gosto do freguês, definitivamente. Enquanto “Squad“, se torna interessante o modo de jogo por ser o gameplay mais cooperativo de verdade, onde você não tem aquele caos todo, precisando coordenar bem seus movimentos com seus companheiros de equipe, e mais uma vez, uma comunicação por áudio se vê bem vinda. Quanto ao “Last Worm“, sendo o mais próximo do modelo Battle Royale original, mas se torna algo que pode ficar cansativo e até meio desestimulante com partidas que se delongam demais. Principalmente, fica sem muita graça acompanhar outros com seus gameplays. Por isso, é bom entender que esse é um modo que realmente não há como descrever aqui, só jogando na prática para a experiência pessoal poder falar, porque aqui é quando ela fala mais alto.

Ambientação

A direção artística é incrível, dando uma sensação de urbana, com modelos dos Worms mais atuais e principalmente, bem expressivos como sempre. A dublagem deles chega a ser hilária em certos momentos e contribuem bastante para o carisma do jogo. A trilha sonora é introduzida com um bom tema de rock fusion, usando guitarra e grooves de bateria mas com a mistura de sintetizadores para criar uma ambientação moderna e mais competitiva. Fora isso, ela se mantém muito básica e de forma quase que imperceptível. Nada desagradável, mas algo realmente que não é o ponto alto do jogo.

Worms Rumble - Ar fresco na cidade do caos

Jogue

É definitivamente um tipo de jogo recomendável, porém, não obrigatório. Principalmente pelo preço (R$ 74,50 na eShop brasileira), que pode ser um pouco elevado no lançamento para um jogo incerto para todos os gostos e que mesmo que tenha uma recepção inicial boa, pode acabar se tornando um daqueles que enjoam depois de um tempo e você sempre fica se dizendo “um dia vou voltar para jogar mais um pouco“, quando já excluiu ele para dar a lugar a outro jogo mais excitante. Numa promoção, que seria muito bem vinda, ele é um jogo excelente para não perder uma boa chance.

Worms Rumble
7.2 / 10 Nota Final
Prós
- Modo diversos e divertidos
- Armas variadas
- Boa direção artística
Contras
- Problemas de design de interface
- Trilha sonora efêmera
Resumo
Com uma boa apresentação de um multiplayer moderno, Worms Rumble provavelmente vai divertir a qualquer um que queria experiências boas com partidas criativas e diversas. Mas seu preço talvez não compense o que pode se tornar um jogo enjoativo.
Design
Trilha Sonora
Diversão
Gameplay
Custo x Benefício

[Nota do Editor: Worms Rumble foi analisado a partir da sua versão para Nintendo Switch. A cópia do jogo foi gentilmente cedida pela Team17]


[A coluna acima reflete a opinião do redator e não do portal Project N]

Matheus Furtado
Um fã de Da Vinci e Miyamoto. Não me pergunte quem é quem.